2 de abril de 2010

Manifesto


Vou aqui mostrar toda a minha indignação para com as rádios nacionais em Portugal. Estas encontram-se reféns das grandes editoras, e com isso as suas playlist não passam de meros veículos comercias fechados, sendo por isso vedado a entrada a músicos independentes. Levamos com toda a merda vinda de fora, deixando “morrer” verdadeiras pérolas da música portuguesa, a não ser que um dia mais tarde sejam interpretadas por algum concorrente de um concurso musical televisivo, como aconteceu recentemente com os Ornatos Violeta, renascendo o interesse no grupo.

Somos um povo que vamos a Espanha e nos admiramos pelas rádios lá só passarem música espanhola, claro, eles dão valor ao que é deles, nós não. Concordo plenamente que não temos capacidade para fazermos emissões, de 24 horas, só com música portuguesa de qualidade. Mas também as rádios não podem deixar “morrer” quem não tem uma editora por trás que os possa promover e criar pressão para que façam parte das tais playlist. B Fachada, que já dei a conhecer aqui, é o expoente máximo, neste momento, do que se passa nas rádios em Portugal. Com um projecto independente verdadeiramente fantástico que raramente, só quando o rei faz anos, é que passa na rádio. Não sou o advogado nem o promotor de ninguém mas custa ver verdadeiras obras poéticas, como no caso de B Fachada, estarem numa gaveta.

Como não gosto de comer o que me põe à frente, descobri-o à coisa de dois anos pela Net, veículo que ainda não é controlado pelas grandes editoras. Como o B Fachada existem inúmeros, aos quais tento dar “voz” aqui pela rubrica ‘Music Box’, numa singela homenagem de quem vai à luta de um sonho e não tem um padrinho como são as grandes editoras em Portugal. E como diz B Fachada num título das suas músicas, vocês vão ‘estar à espera ou procurar’?

5 comentários:

Fresco_e_Fofo disse...

Infelizmente somos mais de ficar à espera.
Ainda outro dia, quando andava a procurar o vídeo do "Grupo de Baile", descobri uma entrevista (já depois do grupo ter morrido), onde eles se queixavam do mesmo (passado no início da década de 80).
Dantes ainda era mais difícil.
Só existia a RTP e as chamadas rádios pirata começaram a aparecer por volta de 84/85. Por isso é que o chamado Rock português começou a ser divulgado.
A net talvez seja mais difícil de controlar.
Tu podes criar a tua página e mesmo que em servidores portugueses te dificultassem a vida, recorrerias a um servidor estrangeiro.
O mundo dos tubarões anda sempre à procura de lucros e o que vende, ainda que fique ao nível de um Tony Carreira, ou congéneres, é ai que as editoras apostam.

S* disse...

Boa sugestão... vivemos no mundo do marketing e nem sempre o que é melhor é valorizado.

Luna disse...

Clap clap clap :)

Gostei muito do teu manifesto e assino por baixo!
beijinho

chapeu de sol amarelo disse...

Cosm tantas músicas boas por aí e passamos a vida a ouvir a mesma coisa...

Gi disse...

É que ainda por cima, nas rádios portuguesas só passa Lady Gaga e coisas muito más parecidas. Concordo com tudo o que disseste*