25 de abril de 2010

25 de Abril de 1974


Faz hoje 36 anos da Revolução do Cravos. Não vivi a ditadura mas sei, pelo que me é contado mas também pelo que leio, o quanto difícil era viver nessa época. Portugal era um país fora do tempo: era rara a família que não tinha algum membro a combater em África, o serviço militar durava quatro anos, a expressão pública de opiniões contra o regime e contra a guerra era severamente reprimida pelo “lápis azul”, a vida cultural apertadamente vigiada, os partidos, os movimentos políticos e as greves eram proibidos, as prisões políticas estavam cheias e os líderes oposicionistas exilados. Portugal era um país com medo.

Após o 25 de Abril, instalou-se um ambiente de euforia revolucionária, onde toda a população procurou viver livremente e procurar tudo que se vira privado pelo regime ditatorial. Para os jovens hoje o 25 de Abril não passa de um feriado. Vivemos num país, que ainda há pouco tempo, elegeu um dos responsáveis dos 40 anos de ditadura com uma figura do século XX. Parece que esquecemos quem nas nossas colonias combateu, numa guerra sem razão, e por lá deixou a vida. A democracia que vivemos não é valorizada, pois a ditadura continua a existir numa pequena escala, seja nível profissional, social ou governamental. Está na hora de dar-nos valor a quem lutou para que este dia acontecesse e tornar este país mais justo e livre. Só precisamos de o tornar mais democrático.

8 comentários:

*_IRINA_* disse...

O que houve até aos dias de hoje e 36 anos depois do 25 de Abril, foi o chamado "abuso de poder".

A tal liberdade, que a maioria não sabia definir o que era, foi usada de forma inconsciente é por isso que hoje temos esta sociedade pobre (refiro-me a probe de espírito, de valores, de respeito).

Foi por essa tal liberdade, que assistimos hoje a actos de corrpução em todas as linhas da frente da governação deste país, a esta justiça que está podre, à educação que não educa mas sim deseduca, etc, etc, etc...

Os valores conquistados em 1974 ficaram apenas na memória e no quotidiano das pessoas que contribuiram para a Revolução, o resto da sociedade, lembrou esses valores apenas nod primeiros tempos, agora o lema é "se puderes caça antes de seres caçado".

Mil pétalas...

Di disse...

Penso que não foram os jovens, como dizes, que votaram nessa personagem, mas sim as gerações mais antigas, por assim dizer. Muitas pessoas acreditam que essa altura era muito melhor o que a que vivemos agora.
Enfim, falar mal do estado do país é tão fácil, mas não vemos ninguém a fazer nada para mudar as coisas.

Beijinho*

Malena disse...

É bom ver os jovens a lembrar aqueles que lutaram pela liberdade e a valorizar os valores da Democracia. Temos maus governantes? Temos! Temos corrupção? Temos! Mas ao menos temos consciência disso! Não andamos por aqui anestesiados, afastados do resto do mundo, na ignorância!
Um abraço, miúdo e... obrigada!

Bailarina disse...

Como tu tens razão... Enquanto lia o post, pensava que se não houvesse tal revolução, nunca teriamos possibilidade de ter os nossos blogues sem sermos, sensurado...
Bjinho*

Susy disse...

Pois...

Já eu, valorizo muito quem fez o dia 25 de abril ser sinónimo de liberdade!

Só lamento que alguns não a respeitem como tal, e se sirvam dela para em nome de uma democracia, fazer tudo o que lhe apetece.

vanessa disse...

Custa-me muito entender essa gente que elege o salazar como um dos grandes ícones nacionais... parece que não se soltou da ignorância e opressão imposta nesse tempo. A liberdade não tem o reconhecimento que lhe é merecido. e isso é triste, muito triste, porque é o nosso principal direito e a causa de muitas revoluções.

Luna disse...

A ditadura actual não é de pequena escala. É mais dissimulada. Somos roubados, manipulados, desrespeitados diariamente. E os palhaços continuam no topo a rir e gozar de quem se esforça. Está tão errado que até enoja. E ainda se admiram por Salazar ter ganho aquele concurso de melhor português. Ainda hoje não sabem reconhecer um ditador à nossa frente!

Fresco_e_Fofo disse...

Está na hora? Passados 36 anos, acho que a hora já se esgotou, há muito.
Houve uns merdas que se apoderaram do poder e se julgam donos da democracia e com especiais direitos de a meterem na gaveta, arrumada ao lado do socialismo.
Cada ano que passa, mais tristeza o 25 de Abril me faz sentir.
Revoluções de cravos... as revoluções fazem-se com sangue, ou então não passam de meras operações de estética. Mudam-se as caras (as moscas, vá), mas a trampa é a mesma.

Abraço.