14 de junho de 2010

Já volto...



Este blogue vai parar por tempo indeterminado. Pode ser por uns simples dias, por um par de semanas, ou mesmo por alguns meses. Não tenho andado muito animado, para além de andar com pouco tempo, a paciência não é muita para escrever algo de jeito, se é que algum dia o fiz, e também porque não quero tornar aqui o cantinho num local de recados sem destino. Gostava de vos dizer que ia para uma missão humanitária em África, mas não é o caso. Daqui, levo alguns de vós no coração, alguns que me comoveram e outros que me fizeram rir a bom rir. Irei continuar acompanhá-los a todos umas vezes comentando outras passando despercebido. Alguns de vós sabem onde me encontrar, num simples código telefónico, aos restantes têm o mail que responderei sempre, pode tardar, mas responderei. Bem, e como não gosto de despedidas e se nos voltarmos a ver... Até já...

13 de junho de 2010

Frase do dia


"Queixam-se muitos de pouco dinheiro, outros de pouca sorte, alguns de pouca memória, nenhum de pouco juízo."

by: Marquês Maricá



Mais uma pessoa que pensa em mim como uma carta, e foi uma querida ao me dar este selo, quem me ofereceu foi a Yellowphant que podem encontrar aqui. Mas mais uma vez isto trás regras, que são:

- Colocar o logo no seu blog ou no num post;



- Passar o prémio para outros 12 bloggers;



- Incluir o link dos indicados no post;



- Informar aos indicados sobre o prémio, deixando comentários em seus blogues;



- E, finalmente, compartilhar o link com as pessoas de quem você recebeu esse prémio.



Bem, como não gosto de regras, deixo o selo para quem o quiser levar, pois está aqui com muito carinho para quem o quiser.

12 de junho de 2010

Laços


Andamos em voltas rectas
Na mesma esfera,
Onde ao menos nos vemos
Porque o fumo passou.

A chuva no chão revela,
Os olhos por trás.
Há que levar o que restou
E o que o tempo queimou.

Tens fios de mais
A prender-te as cordas,
Mas podes vir amanha,
Acreditar no mesmo Deus

Tens riscos demais,
A estragar-te o quadro.
Se queres vir amanha,
Acreditar no mesmo Deus

Devolve-me os laços, meu amor!
Devolve-me os laços...

Andamos em voltas rectas
Na mesma esfera
Mas podes vir amanhã
Se queres vir amanhã
Podes vir amanhã

Tens riscos de mais
A estragar-me a pedra
Mas se vieres sem corpo
À procura de luz

Devolve-me os laços, meu amor!
Meu amor...

by: Tiago Bettencourt

11 de junho de 2010

Fico mesmo irritado com isso...



Detesto pessoas sem frontalidade, que se escondem por trás de barreiras para atirar pedras e depois, como se nada fosse, continuam com os chamados “sorrisos de plástico”. Que gostam de usar subterfúgios quando não têm frontalidade nem personalidade suficiente para dizer na cara.

10 de junho de 2010

Objectivo de vida: Ser estúpido


Quem me dera ser estúpido. As pessoas estúpidas são tão felizes! As pessoas estúpidas não se questionam acerca do motivo das coisas serem como são, simplesmente aceitam-nas. As pessoas estúpidas não se perguntam se haverá algo melhor, vivem contentes com aquilo que têm. Eu quero ser estúpido. Quero encontrar a felicidade nas pequenas coisas, deixar de me questionar se as minhas decisões são as mais acertadas, deixar de viver o hoje a pensar no amanhã. Quero viver a vida com simplicidade, um dia de cada vez, sem cálculos, sem esquemas, sem planear cada segundo da minha existência para os próximos 10 anos.

9 de junho de 2010

Ainda vai dar merda


Aviso: Se acabou de comer ou vai comer, deixe este post para ler mais tarde.

Actualmente toda a gente se está a cagar, para tudo e todos. Não estou a falar do acto em si de defecar, mas sim da expressão. Alguém faz uma coisa de que não gostamos, mas também pouco nos importamos com ela, lá vem a expressão “Estou-me a cagar para isso”. Alguém nos aumenta os impostos e qual é a expressão que utilizamos, depois do “Que grandes Filh** da P**a”, é o “Estou-me a cagar”. Até parece que se tornou chique esta expressão, mostra a nossa superioridade a certos problemas que nos vão surgindo. Mas temos de ter cuidado com uma coisa, de tanto nos estarmos a cagar, a nossa vida e o nosso país vai-se tornando numa merda.

Frase do dia


"As três coisas mais difíceis do mundo são: guardar um segredo, perdoar uma ofensa e aproveitar o tempo."

by: Benjamim Franklin

7 de junho de 2010

Obrigado!


Queria agradecer a todas as pessoas que me mandaram mail por estarem preocupadas com o meu estado de saúde, e a desejarem as melhoras. É nestes pequenos gestos que se vê as grandes pessoas, acreditem que houve muitas pessoas que me conhecem e que não se preocuparam um por cento como vocês, que não me conhecem de lado nenhum. Um muito obrigado. Nunca me deram tantos mimos como agora, mimos de quem realmente gosta de mim, de quem realmente se preocupa comigo. E os vossos estão lá também. Já estou melhor, mas não estou pronto para outra, porque esta doeu de verdade, e dispenso outra. Ao menos com isto decidi dar uma mexida nisto, colocar borda fora muitas pessoas que não interessam, principalmente quem nunca se preocupou comigo, quando eu me preocupava. E ver o que realmente me faz feliz. Ainda não está tudo borda fora, mas até ao final da semana tudo estará a boiar no mar.

Eu vou ver...


Às 22:00, precisamente daqui a uma hora e um quarto, lá estarei eu na Casa da Música, a ouvir estes senhores...

Deolinda

6 de junho de 2010

Estive perto da morte


Quando pensamos que isto não vai bem, acontece-nos algo que faz com que tenhamos uma visão diferente das coisas. Este sábado, de manhã, isso aconteceu-me a mim. Posso dizer que não vi nenhuma luz, mas que me passaram muitas coisas pela cabeça num breve minuto, não sei dizer se foi coma ou um simples apagão, mas que tive um minuto, que não estive cá, lá isso estive. Posso mesmo dizer que tive sorte, podia estar agora agarrado a uma cama de hospital, ou mesmo a arder num qualquer crematório.

Tudo numa brincadeira, num simples jogo de futebol. Uma disputa de bola, e uma queda aparatosa sobre a cabeça, num piso de madeira. Para terem uma noção maior da queda, imaginem-se a fazer o pino, e que alguém vos eleva pelas pernas um metro e meio, e vos deixa cair sobre a cabeça, sem qualquer resguardo dos braços. Sim, a dor física foi bastante, o galo que tenho na nuca canta a bom cantar. Hoje, ao levantar, apareceram as dores no pescoço e nas costas, pelo amortecimento da queda. Mas mais do que a dor física, que diga-se de passagem é bastante, foi o minuto que estive num lugar que não sei bem onde.

Logo eu que sou um céptico de todo o tamanho. Mas num minuto passou-me a vida à frente dos olhos. Sei que deve ser difícil acreditar em algo assim, eu também não acreditaria, mas aconteceu. Estou a ver o mundo com outros olhos. Ontem ainda pensei que fosse pelo simples abalo da queda, hoje não, olho para as coisas de um modo diferente, não sei explicar. Sinto-me um sortudo, sinto que me deram uma oportunidade, sinto que tenho algo para fazer de relevante e ainda não o fiz, mas sobretudo sinto-me vivo.

5 de junho de 2010

Forma de dizer as coisas


Vezes, sem conta, ouvimos repetir palavras que nunca nos feriram mas, num dia, sem nunca ninguém perceber muito bem porquê, as mesmas palavras magoam-nos. E só nesse momento, em que as ouvimos, é que nos apercebemos o quanto estas “normais” palavras nos podem ferir. Claro que gostaríamos de querer dizer qualquer coisa mas acabamos por ficar sem reacção.

4 de junho de 2010

Mimos



A Ni que é uma querida, façam o favor de visitar o cantinho dela aqui, ofereceu-me este selo (deve estar a pensar que sou alguma carta, mas pronto), e que agradeço por se ter lembrado aqui do cantinho, mas isto trás regras, então cá vai:

Ostentar orgulhosamente o selo, afirmando que o fazem porque são super especiais:

O selo já está bem ostentado em cima e sinto-me orgulho da Ni se ter lembrado de mim, espero que te lembres também para outras ocasiões. E sinto-me tão especial como o José Mourinho só que ganho menos do que ele.

Confessar uma verdade que não tenha dito a mais ninguém:

Fui eu, na inocência dos meus sete anos, que parti o vidro da cozinha do meu vizinho, que era duplo, por sinal. Mas porra, éramos quatro e ninguém estava a conseguir. Lá fui eu buscar uma pedra, que diga-se de passagem, me estragou as costas (ainda hoje quando muda o tempo, sinto), e PUMBA. Moral da história, acabamos por não entrar na cozinha, pois para além do vidro, ainda estragamos a tijoleira toda. E toca a fugir antes que alguém arremessasse também uma pedra, agora contra nós.

Oferecer o selo a alguns blogues que acho verdadeiros:

Não vou ser injusto, com ninguém, ofereço o selo a todos que aqui vêem e comentam os meus post. Queria só deixar uma ressalva, a Néua do blogue “Passo a passo”, por ter sido a minha primeira seguidora, e a primeira nunca se esquece, e continuar até hoje a visitar e a comentar.

Fico mesmo irritado com isso...



Detesto quando vou a um multibanco (MB) e tenho, à minha frente, alguém com as contas do mês todas ali para pagar. Tenho para mim, que fazem de propósito. Já os estou a ver, mal me vêem a dirigir a um MB, juntam as contas todas, algumas até já devem ter pago, e lá vão eles a correr para ficar à frente aqui do murcão, só para me empatarem a vida e me verem o bufar a sete ventos.

3 de junho de 2010

Cuidado com certas pessoas em certos empregos


Numa altura de crise, como a que estamos a viver, acabou-se as vocações profissionais, agora trabalhamos no que aparece, e se é que queremos ter algum dinheiro. É ver nas caixas de supermercados licenciados, apesar de no contra ponto termos um primeiro-ministro que comprou o curso num vão de escada. Depois desta boca politica, ando ver se ainda arranjo uma providência cautelar aqui para o cantinho, vamos a onde queria chegar. Gostava que nunca colocassem um lutador de wrestling a trabalhar num aeroporto, principalmente na parte dos detectores de metais. É que tenho um medo terrível que aquilo detecte um metal, comece apitar, e o lutador pense que aquilo é um gongo. É que nesse preciso momento, estamos lixados. No imediato ele sobe para cima do tapete rolante, da bagagem de mão, e aplica-nos um ‘Frog Splash’. Imaginem a cena...

Note-se que não percebo, nem quero perceber, nada de wrestling, mas à uns dias atrás foi-me explicado o que era ‘Frog Splash’.

2 de junho de 2010

As mulheres e as dietas


Todos sabemos que as mulheres têm uma certa paranóia com o peso, sendo que a dieta é o meio para controlar e chegar ao peso ideal. Basta vir uma dieta numa revista que elas compram logo. Eu confesso, que já fiz uma vez dieta, segui as regras todas que vinha numa revista e em 2 semanas perdi… 15 dias.


Uma das primeiras coisas que as mulheres fazem é arranjar uma lista de calorias a evitar, mas acho que elas não perceberam ainda como aquilo funciona, é que elas começam a comer as coisas que tem mais calorias. “Ora bem, não posso comer bolos com creme de ovos e com chocolate. Ok, está-me a dar uma vontade de comer bolos de creme de ovos com chocolate! Só um e depois começo a dieta!” E depois do bolo pedem um café. Mas com adoçante.


Porque é que elas não aguentam uma dieta? Dizem que a carne é fraca. Se a carne é fraca comam peixe! “Ai, eu agora faço uma dieta em que só como vegetais e peixe”. Os hipopótamos e as baleias também comem só isso e olhem como eles estão!


Depois vão logo comprar uma balança, de preferência que esteja mal calibrada e que acuse menos 10 kg. E há aquelas que compram daquelas balanças que falam, põe-se em cima delas e elas em vez de falar, gritam!


Outra das coisas que começam a fazer é a comprar comida magra. Essa foi uma coisa que eu nunca percebi, comida magra. Mas como é que eles fazem, alguém me explica? Põe as vacas e as galinhas a fazer exercício? Tem academias de ginástica para porcos? Põe as ovelhas a fazer corridas de obstáculos? O que até podia ser porreiro, pois podiam filmar, elas aos saltos e vendiam os vídeos a quem tivesse insónias. Pois estou mesmo a ver: “Então esta carne é magra? – Oh! Minha senhora, esta vaca foi campeã de aeróbia em 2008 e tem as medidas 280-150-280, sem pingo de gordura.”

1 de junho de 2010

Por onde vou?



Estou meio perdido, sem saber para onde ir, com quem ir, por que ir... Estou naqueles momentos em que me dá vontade de correr. Só correr. Sem destino, sem olhar para trás. Sem parar. Sem pensar. Talvez enquanto eu estivesse a correr fosse perdendo tudo pelo caminho e me reencontrando, reescrevendo, reconstruindo.

Com os problemas dos outros, vivem eles bem



Toda a gente diz que se importa, que estão sempre lá uns para os outros. Mas a verdade é que, no fim do dia, encostam a cabeça na almofada e dormem, contentes por não terem problemas daqueles. Por muito que gostem de uma pessoa, os seus problemas não lhes vão tirar o sono. Podem deixá-los um bocado angustiados no momento, mas depois passa. Às vezes até sentem um certo alívio por não serem seus esses dramas.

30 de maio de 2010

Já não sou quem era


Já não sou quem era
Meus sonhos não são iguais
Já não sou quem era
A hora é sincera
E eu sinto que me estou a agitar

Já não fico à espera
Já não fico à espera mais
De ver acender
Essa luz que me quer ofuscar

Já vejo com os meus olhos
Já vejo sem me deslumbrar
Já vejo as limitações
Já vejo com os meus olhos
Já vejo sem enganar
Perdi as ilusões
Conheço as limitações

 
by: António Variações

29 de maio de 2010

Conversa...


(Nos Jardins do Palácio de Cristal, com um amigo que segunda-feira parte para ir trabalhar em Nova Iorque)



Amigo – Que tens? Estás tão calado...
Eu – Estes jardins trazem-me tantas recordações, boas e más... E vir aqui, contigo, num momento de despedida, não é agradável. Saber que começam a resistir poucos, e mais um braço direito se vai.
Amigo – Ouve lá, estás bêbado? Esteja onde estiver, sabes que tens sempre em mim um porto de abrigo, um conselho, um ouvido que não te julga, uma voz que te acorde para a vida e dois braços para te dar um abraço. Terás um gajo que podes insultar e berrar quando precisares de te acordar a ti próprio... Foda-se afinal somos amigos ou que merda é que somos?

Vai custar tanto sem ele...

28 de maio de 2010

Ciúme


Muitos ciumentos podem apresentar comportamentos de verificação como ligar constantemente, verificar se o parceiro estava a falar verdade, cuscar chamadas telefónicas, sms’s, mails, entre outras coisas. O ciúme é um ingrediente positivo para o casal, significa cuidados, protecção. No entanto, quando levado ao extremo e ao exagero, compromete o relacionamento. A posse, manipulação, controle, são algumas causas do ciúme exagerado, bem como a insegurança e a baixa auto-estima. Eu até acho muito engraçado aquele ciúme ligeiro, aquele arreliar, mas ciúme possessivo não é para mim. Namorada ou esposa que ouse cercar-me, por puro ciúme doentio, terá sempre a porta da rua aberta. Nunca gostei de me sentir controlado. Quem ama cuida e confia.

27 de maio de 2010

Frase do dia


"A verdade é que não te amo com os meus olhos que descobrem em ti mil defeitos, mas com o meu coração, que ama o que os olhos desprezam."

 
by: William Shakespeare

26 de maio de 2010

Os predadores


Os predadores são aqueles tipos que podemos encontrar, num qualquer estabelecimento de diversão nocturno, encostados ao balcão, de copo na mão, a observar as mulheres e contando-lhes os copos, que estas bebem, para saber em qual lhes devem atacar. Estes cavalheiros são de fácil identificação, para além da postura que acima referi, estão normalmente a acenar com a cabeça, em modo afirmativo, com a boca como se estivessem a dar um beijo a alguém, acho que aquilo é a forma deles dançarem, mas não digam a ninguém. As formas de abordagem são variadas, mas normalmente eficazes. Não por estes serem uns mestres na arte do engate, mas porque atacam mulheres que já têm um conjunto de copos a mais, encontrando-se assim mais vulneráveis.

25 de maio de 2010

Conversa de café...


(À chegada dela)

Eu – Hoje, estás com uma pinta!
Amiga – Oh que querido! Obrigada! Comprei este conjunto no fim-de-semana passado.
Eu – Não é isso. Tens uma pinta de tinta de caneta na bochecha da cara.

Mãos de vaca


Os brasileiros chamam-lhes ‘mão de vaca’, aqui chamamos forretas ou agarrados. Podia dizer que estas pessoas não dão um presente a ninguém, mas como não sou materialista nem vou por aí. São aquelas pessoas que num café se guardam para último, para pagarem, sempre à espera que alguém se chegue à frente, e eles assim possam guardar o dinheiro que tanto lhes é precioso. Também há o caso de eles serem os primeiros a pagar, mas nesse caso, normalmente, têm o dinheiro ao certo para o que consumiram. Eu sei, estamos em época de crise mas este tipo de pessoas deixam-me irritado. Nunca fui assim, nem consigo ser, talvez por isso nunca fui muito abastado economicamente. Este tipo de pessoas ou não anda com dinheiro nenhum, no bolso, ou quando andam, é sempre notas de elevado valor. Sempre na esperança do estabelecimento não ter troco ou de poderem dizer “não te importas de pagar, que só tenho esta nota e eles não devem ter troco”. O que me irrita mais ainda é que eles, normalmente, mas precisam de ser assim, se ainda fossem pessoas necessitadas, mas não. O melhor remédio para lidar com este tipo de pessoas é tentarmos ser mais forretas que elas...

24 de maio de 2010

Marcha dos desalinhados


Eu não quero estar parado fico velho
Vou marchar até ao fim isolado

Nesta marcha solitária
Dou o corpo, ao avançar
Neste campo aberto ao céu

Ninguém sabe para onde eu vou
Ninguém manda em quem eu sou

Sem cor, nem Deus, nem fado
Eu estou desalinhado

Por tudo o que eu lutei, ser sincero
Por tanto que arrisquei, ainda espero...

Esta marcha imaginária
Quantas baixas vão deixar
Neste sonho desperto...

By: Miguel Ângelo / Fernando Cunha

23 de maio de 2010

Socialmente bem dotado


As mulheres olham para o amor de uma forma absolutamente interesseira. Não existem mendigos encantados mas apenas príncipes. Assim como nós, homens, somos absolutamente impiedosos com as mulheres pouco dotadas de beleza, estas também o são com os homens socialmente fracassados. Isto significa que a lógica da paixão é animalesca e que tanto mulheres como homens são puramente instintivos, apesar da ideia falsa de que apenas nós, os homens, nos portamos como animais.

Nos filmes, o actor principal é sempre alguém destacado, diferenciado, nunca um homem comum. O homem comum não tem lugar na fantasia feminina. A mulher está sempre à procura do melhor homem, o mais destacado socialmente, para que o possa enfeitiçar e prendê-lo a si mesma. Quando aceitam, algum homem comum, fazem-no apenas porque não conseguiram outros melhores. Se lhes dermos as condições para que os consigam tudo mudará. E quando têm essas condições passarão a ser assediadas por homens, para elas, melhores de que os desinteressantes, que têm em casa, e com certeza os trairão. Esta é uma lógica fatal da qual não podemos fugir e que temos que aceitar sob a pena de enlouquecermos caso não o façamos.

Assim, podemos concluir que o amor, tal como as mulheres o entendem, isto é, o amor romântico, não passa de uma mentira e que nunca devemos nos deixar comover pelas lágrimas femininas pois estas não são vertidas por nós mas apenas pelo destaque social que possuímos, seja grande ou pequeno.

21 de maio de 2010

Conversa de café...


Amiga – Começo a ficar chateada com o meu vizinho, passa a vida a elogiar-me!
Eu – (Gargalhada) – E estás chateada? Se calhar quer que vás lá arrumar-lhe a casa!
Amiga – F*da-se! Se fosse lá, desarrumava-lhe era a cama!

20 de maio de 2010

Fico mesmo irritado com isso...



Agora ninguém cala o pessoal que anda com a boca numa gaita, laranja, a que chamam vuvuzela. Ainda não começou o mundial, quando começar até vou trepar as paredes.

19 de maio de 2010

Frase do dia


"A loucura é inseparável do homem. Umas vezes toma-lhe a cabeça e deixa-lhe em paz o coração, que nunca se empenha no desvairar a que ela é arrastada. Outras vezes há na cabeça a frieza da razão e ao coração desce a loucura para o perturbar com afectos"

by: Júlio Dinis

Maresia


Meu amor me deixou
Levou minha identidade
Não sei mais bem onde estou
Nem onde há realidade...

Ah, se eu fosse marinheiro
Era eu quem tinha partido
Mas meu coração ligeiro
Não se teria partido...

Ou se partisse colava
Com cola de maresia
Eu amava e desamava
Sem peso e com poesia...

Ah, se eu fosse marinheiro
Seria doce meu lar
Não só o Rio de Janeiro
A imensidão e o mar...

Leste, Oeste, Norte, Sul
Onde o homem se situa
Quando o sol sobre o azul
Ou quando no mar há a lua...

Não buscaria conforto
Nem juntaria dinheiro
Um amor em cada porto

Ah, se eu fosse marinheiro
Não pensaria em dinheiro
Um amor em cada porto
Ah! se eu fosse marinheiro...

by: Paulo Machado / António Cicero

18 de maio de 2010

Playboy na sala de aula


Embora ande sem grande paciência para escrever, não podia deixar este assunto passar em branco. Então uma professora posou nua para a Playboy, e por causa disso anda meio Portugal indignado. Não percebo porquê. Quem é que nunca despiu com os olhos uma professora? Digna de ser despedida, é claro. Ou serei eu o único? Estas crianças têm a oportunidade, num simples virar de página, de uma revista, satisfazer todo um imaginário criado por elas, e ver a professora nua. Era bem pior se a revista se lembrasse de ir buscar, para posar nua, a Manuela Ferreira Leite, aliás nem quero imaginar, só de escrever esta possibilidade já me está a dar vómitos. É que a professora até ficou bem nas fotos. Por exemplo, não vi ninguém indignado quando a Ana Malhoa, posou para a mesma revista, com um mamilo apontar para este e outro para oeste. Isso sim, nem para uma aula de anatomia servia. Só espero que todo o meu percurso académico seja anulado e eu precise de voltar para a escola, só para ser ensinado por esta relíquia. Até nem me importava de ser constantemente ser castigado, digo mesmo que me ia saber pela vida...

17 de maio de 2010

Frase do dia


"O amor calcula as horas por meses e os dias por anos, e cada pequena ausência é uma eternidade."

by: Dryden

15 de maio de 2010

O que queres ser quando fores grande?


Nunca gostei da pergunta “O que queres ser quando fores grande?”, talvez porque nunca sonhei ser médico, bombeiro ou polícia. Em miúdo nunca tive algo que me tenha fascinado realmente, e o que me fascinava tinha noção que era inalcançável. Ser futebolista era talvez uma coisa de que gostava, mas o jeito aliado à pouca vontade de correr atrás de uma bola, sempre me fizeram colocar essa hipótese de lado. Ser um Mick Jagger português também era uma coisa a ponderar, mas a falta de interesse pelas drogas, num instante me tirou isso da cabeça. Por essas e por outras razões nunca, em miúdo, gostei que me fizessem essa pergunta. Mas se me fizerem a pergunta agora, a resposta sairá facilmente. Quero ser feliz, sem pensar em empregos fantásticos, mulheres perfeitas ou dinheiro. Quero, simplesmente, ser feliz.

14 de maio de 2010

Cadernos de apontamentos


Sempre gostei de escrever, embora como podem ver o jeito nunca foi muito. Nunca fui de fazer diários, mas ia escrevendo em caderninhos sobre o que me ia na alma e nesta minha cabeça pouco católica. No início do mês lá acabei mais um caderninho, que foi o de perdurou mais no tempo, dois anos. Espero não ter de fazer a este o que fiz aos dois anteriores, que tive de os deitar fora, pois os seus conteúdos faziam-me recordar coisas que queria esquecer e deixar para trás. Sei que os podia ter aguardado e nunca mais tocar neles, mas também sei que não resistiria a procura e lê-los, mesmo sabendo que isso me faria abrir feridas bem dolorosas. No que acabei, recentemente, não tenho muitas feridas lá transcritas, talvez por me ter tornado mais cuidadoso, não me deixando ferir com tanta facilidade. Mesmo assim está sujeito a ir parar a um caixote de lixo qualquer. Fosse tão fácil tirar uma recordação da cabeça como é deitar um caderninho ao lixo...

13 de maio de 2010

Conversa de café...


Amiga – Já viste aquela tipa que não pára de olhar para nós?
Eu – Se calhar é lésbica...
Amiga – Duvido, pois sorriu quando olhaste para ela.
Eu – Não deve ser da beleza dos meus olhos nem pelo meu bonito porte atlético...
Amiga – É isso que não percebo... O porquê de sorrir para ti...

Com isto, encontro-me em estado depressivo...

Pergunta do dia


Será que o Papa me deixa dar uma voltinha no papamóvel?

Isso é que era, só para ver quanto aquela treta consegue dar, derreter um bocado os pneus e ainda sacar uns peões, tudo com o Papa lá dentro...

12 de maio de 2010

Manias


Viver comigo não é fácil. Pois sou demasiado organizado e meticuloso com as coisas. Tudo tem um lugar certo, tudo tem de estar no lugar. Isso será visto por muita gente como uma grande dádiva divina, pois mas para quem vive comigo não. Se tudo tem um lugar não gosto que as tirem do lugar, se mexem nas minhas coisas logo noto que alguém mexeu, acto que detesto. Uns chamam a isso comportamento obsessivo compulsivo, eu chamo apenas não saber viver no caos. Detesto a desorganização. Quando me vejo nela não consigo raciocinar direito. Embora não seja uma coisa que me irrite a desorganização é uma coisa que mexe comigo.

11 de maio de 2010

Conversa de café...


Amiga – Olha, soube que a Teresa e o marido têm dias certos para fazerem amor!
Eu – (Gargalhada) – Dias certos? Como é que isso funciona?
Amiga – Só funciona às terças, quintas e sábados à noite...
Eu – (Gargalhada) – A sério? E se num dia de verão, fora desses dias da semana, lhes der assim uma vontade de fazer num descampado em cima do capô do carro, como é? Guardam a vontade no bolso e esperam pelos dias marcados?
Amiga – Não sei, mas também tens cada exemplo.

(passado alguns minutos)

Amiga – Agora puseste-me a pensar, não me digas, que já fizeste em cima do capô de um carro no meio do nada?
Eu – (...)
Amiga – Já vi pela tua cara que sim...
Eu – Não respondo a essas perguntas nem com palavras, muito menos com feições faciais.
Amiga – Claro que não, principalmente a quem não te conhece, agora para quem te conhece respondes de que forma for...

10 de maio de 2010

Adeus Amor (Bye Bye)


(Ao fim deste tempo todo, chegou a hora)

Adeus amor que cresci
Já pouco me tens a dizer
Já bebi tudo de ti
Que de bom tinha a beber

Adeus amor, vou-me embora
Não me impeças por favor
Sabes que só vou agora
Porque dei tempo ao amor

Não suporto o teu modo
Carinhoso e paternal
No tom de quem sabe tudo
Sem saber o essencial

Adeus amor já me cansa
A canção do teu cinismo
Essa pose de quem dança
Sempre à beira do abismo

Adeus amor que cresci
Pouco me tens a dizer
Já bebi tudo de ti
E há mais mundo a beber

by: Carlos Tê / Clã

Preocupado


Ando extremamente preocupado, é que nas últimas três semanas, tive 2 pessoas que vieram ter comigo a dizer-me que me conheciam, quando eu não as conhecia de lado nenhum. Podem estar a pensar que conhecia e não me lembrava, mas não, eu sou daquelas pessoas que grava bem as pessoas, chegando ao ponto de me recordar bem de pessoas com quem estive só uma vez e à vários anos. Estas não conhecia, ao perguntar donde me conheciam, ambos me referiram a mesma zona, que é bem longe de onde moro. Ou alguém é muito parecido comigo ou a minha mãe teve gémeos e decidiu ficar só ficou comigo, claro que estou a gozar nesta segunda opção. Mas que ando preocupado, ando, é que uma velha estatística, da minha adolescência, dizia que havia sete mulheres para cada homem, e cheira-me que este sósia anda para aí com as minhas sete.

9 de maio de 2010

SMS durante o sexo


Segundo um estudo americano, 10% dos jovens americanos com menos de 25 anos acha normal mandar SMS durante o sexo. Já sabem como eu sou pôs-me logo a cogitar, não tivesse já eu uma multa, por causa do telemóvel, no meu curriculum, e me farta de continuar a prevaricar. Mas no sexo? Como pode? Estar a ali no tumba, tumba e mandar mensagens? Não conseguiria. Se calhar estou desactualizado, se calhar a minha coordenação motora não me permite. Nas dezenas de posições que conheço, só duas ou três é que nos permite estar de mãos livres para mandar SMS, ou então estes 10% gostam de perder grande parte da diversão. Também me pôs a pensar em milhares de diálogos, mas que não vou transcrever aqui nenhum, não quero mostrar os níveis tristes, em que se encontra a minha insanidade mental. Está bem, não insistam mais, mas só um levezinho, aqui vai:

Amiga 1: Miga, tou n mrda, prcisams d flar, k faxs?
Amiga 2: Tou a pinar, k tens?
Amiga 1: Kres ir tmar kfé, inda vai dmorar isso ai?
Amiga 2: Kd komeçamos ele já tava kase akabar  LOL
Amiga 1: Tmbm prciso d faxr ums kmpras, podmos ir jntas.
Amiga 2: Ok, já tou dexpxada, kmo smpre foi rapdo. Daki 20 min no kafé aki prt d casa?
...

8 de maio de 2010

Frase do dia


"O Homem que sabe reconhecer os limites da sua própria inteligência está mais perto da perfeição."

by: Johann Goethe

7 de maio de 2010

Meu lado demoníaco



Ainda não percebi o porquê das pessoas insistirem em ser falsas comigo. Se estão habituadas a sê-lo no seu dia-a-dia por mim tudo bem, agora comigo esqueçam, não dá. Ainda para mais, ficam surpreendidas com o meu lado feroz quando sou vítima de falsidades. Eu nos últimos dias já não tenho andado muito bem e ainda tenho de aturar isto, depois queixam-se de ver o meu lado demoníaco.

6 de maio de 2010

Muitas vezes a culpa é delas


Quanto mais ouço as mulheres a queixarem-se dos seus relacionamentos e dos respectivos homens, mais penso que a culpa é delas e não deles. Sei que com esta afirmação vou ser chamado de machista, mas pouco me importo disso. Na maioria dos casos, as mulheres querem um amor e os homens querem mulheres. Procuram neles um porto de abrigo e eles nelas, só mais, um porto para ancorar. O único ponto que é comum aos dois é a procura de noites escaldantes. Como é que uma mulher quer ter um homem para a vida, se o que escolheu só vê nela uma mulher da vida, se é que me entendem. Já alguém se questionou o porquê de um relacionamento, que passe o primeiro mês, acabe quando está para fazer um ano? É que elas, por essa altura, começam a querer mais, uma vida em conjunto, e eles não, só vêem ali mais uma.

Claro que não quero generalizar. Mas o poder de escolha das mulheres é uma coisa que me intriga. Se eu quero uma relação séria e estável, escolho alguém que sei que daqui a vinte anos conseguirei conviver com as suas virtudes e com os seus defeitos. As pessoas não mudam, não esperem que os defeitos que agora não suportam, daqui a meia dúzia de anos já vos irão agradar. Agora se quero só mais uma, a mim pouco me importa se ela gosta mais de azul ou de preto, de praia ou de campo, é só mais uma, convém é que seja boa no que faz, mas logo de princípio lhe é comunicado que não passa de mais uma. Essa do amor ser cego é uma valente treta, quem é cego somos nós. Depois das relações acabar, é vê-las achar que estas acabaram porque exigiram demasiado deles, e a culparem-se disso.

Mas não cheguei a este mundo à dois dias, sei perfeitamente que os homens se aproveitam dessas situações, não gostam de fechar portas, deixando-as sempre entreaberta, não vá numa situação de desespero e solidão ter que voltar a bater naquela porta, utilizando o recurso existente por trás dela. Mais uma vez por culpa delas que não se importam de deixar a porta mal fechada. Depois de várias desilusões, de desespero e angústia por causa deles, ainda são capazes de lhes dar a segunda oportunidade. As pessoas chamam a isso amor, eu chamo masoquismo, puro e duro, gostar de sofrer. Sei que estou a generalizar uma situação que nem sempre acontece assim, mas olhem à vossa volta que vão ver centenas de situações assim. Elas, ao menos, poderiam evitar andar para aí a lamentar as relações e a falar mal dos homens, pois foram elas que os escolheram, e isso também, é um sinal que a porta ainda está aberta, e bem aberta. Nem vos conto os casos que conheço em que o número de portas abertas é bem superior ao de portas fechadas. E como diz a música “Tu podes ser bastante querida, mas não é preciso dor para provar o desamor”.

Ainda vou partir a televisão


Já não aguento. Já tinha falado disso aqui, mas parece que as agências publicitárias decidiram não seguir o meu conselho. Agora todos os supermercados em Portugal seguiram o exemplo do Pingo Doce, e já têm a sua musiquinha irritante em anúncios igualmente irritantes. Já começo a ficar sem paciência para tais singles histéricos, ainda me vão fazer partir a televisão por causa dessa brincadeira.

Já que estou a falar disto, também gostava de saber quando saem do ar os anúncios do BES, é que já enjoa tanto feeling. Primeiro veio o CR9 a cantar, mas justiça seja feita ao menos conseguiram pô-lo a cantar sem dizer “Eu penso que...”, e agora todos os jogadores cantam a música dos Black Eyed Peas. Espero é que em sentido inverso não vão buscar o José Cid e o ponham a jogar à bola, é que ainda lhe cai o capachinho.

5 de maio de 2010

Factor C


Essa coisa que todos falam e dizem que nunca fizeram. A cunha é um tráfico de influência em pequena escala, em alguns casos é de grande escala, mas não estou aqui para falar de políticos. Não venham com tretas, que todos já o fizemos, nem que fosse para ser atendido mais depressa num estabelecimento qualquer. O que quero, realmente, falar aqui é da cunha profissional. Essa que nos faz ter um emprego e atirar com outra pessoa para o desemprego de uma forma desleal só porque o fulano de tal é amigo do chefe, que também tem uma prima que ainda nos pertence, como eu adoro estes graus de parentesco. Particularmente, não sou contra desde que a pessoa, que beneficie da cunha, tenha capacidade para o lugar que irá ocupar e a que execute com profissionalismo.

A isso nem chamo cunha, antes mexer uns cordelinhos. Chamo cunha a uma pessoa estar a ocupar uma função de forma desleal e executar, ou melhor dizendo, não executar essa função e estar-se a borrifar para aquilo pois sabe que tem as costas bem protegidas, sobrecarregando os outros colegas de trabalho. Eu particularmente nunca usufruí de cunhas para entrar em nenhuma empresa, mas confesso que já mexi os meus cordelinhos para subir nelas.

Não por falta de capacidade minha, mas sim de forma a mostrar aos meus superiores que tinham ali uma pessoa que podia fazer funções com a mesma eficiência dos outros. Digo já, não me envergonho disso, pois sempre cumpri com as minhas obrigações, e o que pedi não foi mais do que uma oportunidade, que sabia ter capacidade para agarrar.

Digam-me lá uma coisa


Fiquei agora de saber, não é que se escrevermos no Messenger em maiúsculas, é como se estivéssemos aos berros. Não quis fazer figura de parvo, muito comum em mim, e comecei logo a escrever em minúsculas. Mas fiquei intrigado. Então se escrever em maiúsculas é como berrar, e falar baixinho, como é? Diminui-se o tamanho da letra, certo? Isso também é aplicável nos blogues? Desculpem as perguntas estúpidas, mas há coisas que me ultrapassam. Se for utilizável nos blogues isso será bastante útil para mim. Assim quando quisesse mandar os nossos políticos, deste país, para aquele sítio já tinha forma, de vou mostrar, que estava a berrar.

Olha! Surgiu-me agora mais uma pergunta: E quando quisermos dizer aqui um segredo, qual é o tipo de letra? Sim, dizer alguma coisa como se vos estivesse a falar ao ouvido, sem ninguém nos estar a ouvir. Isso é que me era útil. É que uma coisa é dizer que o Sócrates tirou o curso por debaixo da mesa, a falar normal, outra coisa é dizê-lo em modo segredo. Isso pode-me poupar processos e providências cautelares. Agora estou a perceber porque a Manuela Moura Guedes se tramou, ela, como eu, não sabe escrever em modo segredo. E eu sempre a pensar que o problema dela era não saber o significado de código deontológico.

4 de maio de 2010

Pessoas interessantes


Sabem o que me alimenta o ego? Não, não é ir na rua e levar um piropo de um trolha, nem queria e também ainda não conheci nenhum trolha que goste de abafar a palhinha, assim em público. Mas o que me aconteceu hoje, sim. Não é que fui comprar uma t-shirt, e na altura de pagar fiquei a conversa com a menina da caixa quase uma hora. Conversa puxa conversa, quando dei por mim já tinha passado quase uma hora. Sim, também não estava mais ninguém para ser atendido, e o mais certo era ela estar a precisar de companhia.

O mais engraçado é que falamos de muita coisa menos dos artigos da loja. Mas confesso aqui que com aqueles olhos, e com aquele sorriso ela vendia-me todos os artigos daquela loja com extrema facilidade. E acreditem que não é por eu ser bonito nem jeitoso, que isso não sou. Mas com pessoas interessantes é bem mais fácil falar, e a parte do interessante não é para mim, mas sim para ela. Como dizem os brasileiros foi um papo bem gostoso. Acho que agora todos os dias vou precisar de t-shirt, e já sei onde a vou comprar.

Ando louco



Que sou louco vocês já sabem agora que ando louco pela série ‘Fringe’, é que não. Gosto deste tipo de séries que foge ao convencional das séries sobre médicos, policias, ladrões e donas de casa. Não é que não goste das que referi, mas séries como ‘Fringe’ dão-me mais pica. Não tenha eu crescido acompanhado pelos ‘Ficheiros Secretos’. ‘Fringe’ é baseado em acontecimentos de ficção científica e que só conseguem ser desmitificados pelo Dr. Bishop, que trabalha para a agente do FBI, Olivia Dunham. Uma trama cheia de situações criticas, suspense e acção, que me faz estar até a estas horas acordado a ver, quando amanhã as nove já tenho que estar fora da cama.

3 de maio de 2010

Fico mesmo irritado com isso...



Detesto mulheres que o passam a vida a dizer que gostam de homens com sentido de humor, mas quando esse sentido de humor recai sobre elas ficam chateadas.

Frase do dia


"Enquanto fores feliz, terás muitos amigos. Se o céu se toldar, ficarás sozinho."

by: Ovídio

2 de maio de 2010

Só para avisar...



Que na minha cidade só faz festa quem é convidado...
 
É por isso que somos uma cidade diferente.
`
É por isso que aqui nasceu o nome Portugal.

Boa noite a todos...

Novo Imposto


Segundo informações por mim recolhidas hoje, um grupo de cidadãos portugueses está a pressionar o governo de forma a este incluir mais um imposto no Plano de Estabilidade e Crescimento (PEC), este imposto visa tributar a taxa de estupidez e incompetência dos portugueses. A proposta deste novo imposto já está a gerar bastante controvérsia junto dos políticos portugueses, com receio de entrarem numa situação precária, devido a tal imposto.

Nos corredores da Assembleia da Republica e das Câmaras Municipais já se agenda uma marcha lenta para a próxima terça-feira em sinal de protesto, a mesma será encabeçada pela recente dupla Sócrates e Passos Coelho. Esta terá lugar em Lisboa, entre o Marquês de Pombal e os Restauradores, com início às nove horas da manhã, e só será permitida, a participação nesta marcha, de carros de alta cilindrada. Com o intuito de fazer recuar o grupo de cidadãos nesta proposta, o governo, apoiado por toda a oposição, está disposto a enviar os mandatários desta comissão para a China, para visitarem a Expo 2010.

1 de maio de 2010

Conversa de café...


Amiga – Já alguma vez pensaste em casar?
Eu – Isso não passa dum monte de papéis assinados. Muitos dos casamentos são, uma verdadeira, fachada.
Amiga – Está bem. Mas estou a falar na cerimónia em si. Se te cassasse como seria o teu casamento?
Eu – Seria o mais pequeno e inesquecível possível.
Amiga – Hã? Pequeno e inesquecível?
Eu – Sim, não convidaria mais de 20 pessoas, por exemplo.
Amiga – Olha, olha... Não me digas, que não era convidada.
Eu – Podes ter a certeza que não.
Amiga – (Visivelmente chateada) – Se calhar tinhas era medo que te trouxesse dúvidas na hora do ‘sim’...

Ouvir o silêncio



Como tenho dormido muito mal nos últimos tempos, e sei que hoje não será diferente, apetece-me estar aqui só a ouvir o silêncio. Aquele ruído estranho que não se ouve.

29 de abril de 2010

Sempre os mesmo a pagar


Ando irritado e não foi nenhum bicho que me mordeu. Foi, isso sim, os governantes deste país que me tiraram do sério. Já dizia a música, pactos e aliança só serve para os entreter e lhes combater o tédio. Com que então agora é para cortar nos subsídios de desemprego? Podiam optar por cortar nos rendimentos chorudos dos gestores deste país, poder podiam mas não era a mesma coisa. O povo é que irá pagar, mais uma vez, pelos erros de quem nos governa. E quem nos governa está-se a esquecer que os subsídios de desemprego é o resultado do dinheiro descontado pelos trabalhadores, em vários anos de trabalho. Aquele dinheiro é nosso, é do povo, descontado com muito esforço.

A justificação para este corte é simples, pois os desempregados ganham mais no desemprego do que a trabalhar. Volta a pergunta, podiam ajudar as empresas a aumentar o salário base, pois poder até podiam mas não era a mesma coisa. Façam assim, reduzam os ordenados dos gestores, apliquem esse dinheiro no aumento salarial dos trabalhadores deste país. É pena um lindo país como o nosso ter pessoas tão fracas. Um dia destes, coloco um cinto de explosivos à cintura, entro na Assembleia da República, mas tem de ser num dia em que lá estejam todos, e rebento comigo e com aquela merda toda.

Sou livre


Gosto de andar por aí sem rumo, sem destino, sem horários. Prefiro andar por mim. Gosto de dizer umas verdades, de causar polémica com elas. Não gosto de andar em grupos, quando estamos em grupo agimos, inconscientemente, para nos mostramos aos outros. Não sigo nenhuma moda porque nenhuma me representa. Não reconheço autoridade em ninguém para me criar limites. Não gosto que tentem mandar em mim, pois também não gosto de mandar nos outros. Gosto que os outros reconheçam em mim um líder, mas não gosto de me sentir como tal. Odeio doutrinas, leis estúpidas, falsidades, pessoas que gostem de complicar e sem personalidade. Tragam-me soluções não problemas. Gostaria de pensar que não sou único. Mesmo assim não mudarei a minha maneira de ser por ninguém. Quero continuar a ser livre nas acções e nos pensamentos. Sou como sou, e não estou nem aí para o que os outros pensem de mim.

Tempo para cantar


Viveu sempre sossegado
Cada amor em cada lado
Mas ele mesmo, até morrer
Vá-se lá saber o que sentia todo o dia, até anoitecer

Viveu sempre, em todo o lado
Com seus dons de namorado
Sempre, sempre a envelhecer
Vá-se lá dizer o que fazia todo o dia, até amanhecer

É bom ter má fama
Dá para ter vazia a cama
E nesta solidão de Kant
Ser tido um grande amante

É bom ter de fundo
Que anda pelas bocas do mundo
E quem quizer acreditar
Ao menos não vem cá espreitar

Sobra-me tempo para cantar

Fez de tudo, até calçado
Mas seu jeito de empregado
Só deixava perceber
Para quem queria ver
De cada dia uma alegria, para desaparecer

Fez de tudo, de empregado
Só não fez do seu passado
Um segredo para esconder
Já não vai vencer
Mas respondia para se defender:

É bom ter má fama
Dá para ter vazia a cama
E nesta solidão de Kant
Ser tido um grande amante

É bom ter de fundo
Que anda pelas bocas do mundo
E quem quizer acreditar
Ao menos não vem cá espreitar

Sobra-me tempo para cantar

by: B Fachada